Meu filho tem hipermetropia, e agora?!?

20 de abril de 2017
meu filho tem hipermetropia

Cada vez mais temos observado crianças pequenas usando óculos. Muitos pais se perguntam se os erros refrativos (hipermetropia, miopia e astigmatismo) estão se tornando mais frequentes com toda a modernidade e tecnologia disponíveis, já que hoje em dia as crianças preferem brincar no computador, tablet e celulares do que correr, jogar bola ou qualquer outra atividade ao ar livre.

Na verdade, são dois os motivos de vermos tanto a população infantil com problemas oculares. Primeiro, estamos diagnosticando mais precocemente. Pais e pediatras estão cada vez mais conscientes da necessidade de levar os pequenos para uma consulta de rotina – o que não acontecia antigamente. Antes, a criança só era levada ao oftalmologista quando já estava alfabetizada e conseguia perceber sua dificuldade visual. Outro motivo é o excesso de atividades para perto (celulares, tablets) que fazem com que as crianças geneticamente predispostas desenvolvam mais cedo problemas como a miopia.

No entanto, o erro refracional mais frequente nas crianças continua sendo a hipermetropia.

O que é hipermetropia?

A hipermetropia é um erro refracional que ocorre devido ao menor comprimento do globo ocular ou devido a alterações no formato da córnea ou cristalino.

A grande maioria das crianças nasce com algum grau de hipermetropia, que vai sendo naturalmente corrigido com o crescimento e não requer tratamento. Elas conseguem compensar este grau devido a um processo de acomodação ocular. Algumas, no entanto, podem apresentar sintomas devido ao grau e podem precisar de óculos.

Quais os sintomas da hipermetropia?

A hipermetropia é uma alteração que causa dificuldade visual para perto e meia distância. Muitas vezes os sintomas são desconforto para focalizar algo mais próximo, cansaço visual e dores de cabeça leves.

Algumas crianças, devido ao esforço para conseguir compensar o grau, podem desenvolver estrabismo convergente (olhos desviados para dentro). Em geral os pais notam os olhos começando a desviar por volta dos 2 a 3 anos de idade, mas isso pode ocorrer antes ou depois desse período.

Quando o estrabismo é causado pelo grau alto de hipermetropia, seu tratamento se dá pelo uso de óculos. Quando a criança usa os óculos, os olhos ficam alinhados. Se estiver sem as lentes, os olhos acabam fazendo muito esforço e os olhos desviam.

Como tratar a hipermetropia?

O tratamento em crianças é feito com o uso de óculos. Como dito anteriormente, não são todas com hipermetropia que necessitam de tratamento. A musculatura intra ocular da criança é muito forte e eles conseguem acomodar e suportar graus bem mais elevados do que os adultos sem apresentar sintomas.

Em adolescentes e adultos, pode-se substituir os óculos por lentes de contato. E , a partir do momento em que o grau estabiliza, geralmente depois dos 21 anos, pode-se realizar cirurgia a laser da córnea (cirurgia refrativa – PRK ou LASIK) para eliminar o uso de lentes.

Existe alguma chance de a criança crescer e deixar de usar óculos?

A hipermetropia é um tipo de grau cuja tendência é de reduzir com o crescimento. Muitas crianças, dependendo do grau, podem sim deixar de usar óculos ou pelo menos usar lentes mais fracas no futuro.

Claro que tudo depende do grau (se é muito elevado ou não) e da parte genética. Nem todos os pequenos deixarão de usar!

Não só a hipermetropia, mas outras alterações oculares podem estar presentes e afetar o desenvolvimento visual da criança e seu desempenho escolar. Por isso, recomenda-se uma consulta de rotina já no primeiro ano de vida, mesmo que não haja queixas. Ainda que a criança não informe, a partir de um exame sob dilatação das pupilas conseguimos avaliar com precisão em um exame oftalmológico se há qualquer alteração que requeira o uso de óculos e avaliar o fundo do olho. O melhor tratamento ocorre a partir do diagnóstico precoce; por isso não deixe de levar seu pequeno a um oftalmopediatra!

Dra Dayane Issaho é oftalmologista pela Universidade Federal do Paraná. Fez especialização em Oftalmopediatria e Estrabismo na Universidade Federal de São Paulo e na University of Texas Southwestern em Dallas, EUA. Possui Doutorado em Oftalmologia pela Universidade Federal de São Paulo. É preceptora do setor de estrabismo da Residência médica do Hospital de Olhos do Paraná. Possui ampla experiência no atendimento oftalmológico infantil e no tratamento clínico e cirúrgico do estrabismo.

Hospital de Olhos do Paraná
Rua Coronel Dulcídio, 199 - 1º andar
Batel, Curitiba, Paraná
CEP 80.420-170

INSCREVA-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER.

Powered by TNBstudio

Entre en contato