Por que nossos olhos formam remela?

7 de junho de 2018
remela

Você com certeza já notou aquela sujeirinha que se acumula nos cantos internos de seus olhos ou que às vezes fica grudada nos cílios quando você acorda de manhã. Mas você sabe exatamente o que é essa secreção?

O que é a remela?

Essa secreção ocular – a famosa remela – em seus olhos, é uma combinação de muco, óleo, células da pele e outros detritos que se acumulam no canto do olho enquanto você dorme. Ou seja, é uma espécie de “sobra” das lágrimas. Quando as lágrimas são produzidas, elas se espalham pelo olho graças ao movimento de abrir e fechar nossas pálpebras.

A sobra do fluido lacrimal é então compelida para o canto do olho, junto com poeira e outros detritos que chegam à nossa visão. Durante a noite, nossas glândulas lacrimais diminuem a produção da parte aquosa da lágrima, mas continuam a produzir muco e gordura.

O ressecamento dessa combinação de muco e gordura é o que dá origem à remela, que pode ser úmida e pegajosa ou seca, dependendo de quanto do líquido tenha evaporado durante a liberação dessa secreção.

Quão comum é isso?

Quase todo mundo acorda com remela nos olhos. A quantidade, no entanto, pode variar dependendo da pessoa. Na verdade, você pode nem saber que ela está lá porque muitas vezes há uma quantidade muito pequena do material. É comum, no entanto, durante a temporada de alergia, essa quantidade aumentar consideravelmente.

Quando você precisa se preocupar?

Ter remela geralmente não é motivo para preocupação, mas se você notar uma diferença na consistência, cor e quantidade de secreção nos olhos, isso pode indicar uma infecção ou doença ocular.

Uma maior quantidade pode significar uma tentativa do olho em melhorar a lubrificação, combater infecções, alérgenos ou até mesmo algum problema com a produção de lágrimas. Nesses casos, é importante consultar seu oftalmologista, especialmente se você notar outros sinais, incluindo:

  • Sensibilidade à luz;
  • Visão embaçada;
  • Dor nos olhos;
  • Inchaço ou vermelhidão;
  • Febre;
  • Secreção nos olhos durante o dia

Alterações oculares associadas à quantidade excessiva de remela incluem:

Conjuntivite: a secreção ocular é um sintoma comum de conjuntivite, uma inflamação da conjuntiva – a fina membrana que reveste o “branco” do olho e a superfície interna das pálpebras.

Além dos olhos irritados e vermelhos, a conjuntivite é acompanhada por muco branco, amarelo ou verde, que pode formar uma crosta ao longo da linha dos cílios enquanto você dorme. Essa crosta, dependendo da gravidade, pode impedir até mesmo a abertura dos olhos.

Blefarite: uma inflamação na pálpebra, onde glândulas de gordura começam a excretar em excesso, causando coceira, irritação e ardência.

Olho seco: A produção ou disfunção lacrimal insuficiente das glândulas meibomianas pode levar à síndrome do olho seco – uma condição freqüentemente crônica na qual a superfície dos olhos não é adequadamente lubrificada e se torna irritada e inflamada.

Os sintomas dos olhos secos incluem olhos vermelhos, sensação de queimação, visão embaçada e sensação de que algo está “dentro” do olho (sensação de corpo estranho). Às vezes, os olhos secos também podem causar uma secreção muito aguada.

Higiene das pálpebras

Muitos de nós fazemos isso, mas é ideal é não esfregar os olhos com as mãos pela manhã. O melhor método é utilizar água morna para primeiro soltar e depois removê-la. Isto é importante mesmo se a quantidade de remela produzida for pequena, mas essencial se você tiver uma infecção ocular.

O Portal da Visão Curitiba é um espaço de compartilhamento de notícias e informações sobre a oftalmologia, oftalmopediatria e assuntos de interesse para a área.

Hospital de Olhos do Paraná
Rua Coronel Dulcídio, 199 - 1º andar
Batel, Curitiba, Paraná
CEP 80.420-170

INSCREVA-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER.

Powered by TNBstudio

Entre en contato