Como nossos olhos se comparam com câmeras fotográficas?

10 de Maio de 2018
câmeras fotográficas

Se você tira muitas fotos, talvez tenha notado que as elas nem sempre são iguais às imagens captadas por nossos olhos. Veja as semelhanças e na sequência as diferenças no funcionamento dos olhos e das câmeras.

Semelhanças

Abertura de Luz

Tanto os olhos quanto as câmeras podem controlar a quantidade de luz que passa pela lente. Em nossos olhos, esse é o trabalho da pupila, responsável pela regulação da intensidade da luz recebida. Nas câmeras, a abertura da lente faz esse trabalho.

Foco

As câmeras e os olhos focam imagens invertidas em superfícies sensíveis à luz. A câmera realiza essa função em um filme ou um sensor e os olhos na retina (constituída por dois tipos de células foto-receptoras, os bastonetes, que permitem a percepção de claro e escuro e os cones, responsáveis pela percepção das cores).

Diferenças

Nossas lentes são mais flexíveis que as de uma câmera

Uma das principais diferenças entre o modo como uma câmera funciona e a maneira como o olho atua é que as lentes de nossos olhos podem mudar fisicamente de forma a focar objetos a diferentes distâncias. A lente de uma câmera é rígida, portanto, alterar o foco requer que a lente seja movida fisicamente para mais perto ou mais longe do filme (ou do chip do sensor de imagem, em câmeras digitais). Outra diferença é que nossos olhos têm uma única lente cada, enquanto as câmeras podem ter muitas lentes para produzir imagens que sejam mais nítidas possível.

Imagens subjetivas versus objetivas

Quando você tira uma foto com uma câmera, essa é uma imagem objetiva de um único instante no tempo e toda a imagem mostra detalhes e cores. Nossos olhos só podem ver detalhes nítidos e cores intensas no centro da nossa visão, mas não parece assim, porque eles estão em constante movimento.

Pequenos movimentos sacádicos (movimento rápido do olho entre os pontos de fixação) produzem o que são essencialmente imagens compostas até que tenhamos um mapa visual totalmente colorido, em 3D, do nosso entorno. Todos nós temos um ponto cego em cada olho, mas nosso cérebro constantemente os edita de maneira que esses pontos não nos atrapalhem, preenchendo a lacuna com informações visuais de diferentes ângulos.

Nossos olhos têm alcance dinâmico superior

Os sensores das câmeras são uniformemente sensível à luz, a retina humana não, ou seja, câmeras não tem a capacidade de nossos olhos para captar todos os nuances de luz que uma cena apresenta. O olhos são capazes de se adaptar a luz de um dia de sol e a escuridão de uma noite sem lua.

Há câmeras que podem ver em maior escuridão do que podemos e câmeras que podem suportar uma luz mais brilhante, mas nenhuma câmera tem um alcance maior. Em um contexto de alto contraste de sombra e luz, o olho humano consegue observar uma quantidade bem maior de detalhes do que o sensor das câmeras fotográficas digitais. É por isso que você pode ver o rosto de alguém quando ele está em frente a uma janela brilhante, mas uma câmera mostra apenas uma silhueta.

Certifique-se de que seus olhos recebam o cuidado de que precisam!

Quando uma câmera pára de funcionar corretamente, você pode simplesmente substituí-la. Obviamente, o mesmo não acontece com seus olhos, que precisam durar sua vida inteira. Uma parte crucial da saúde dos olhos a longo prazo é consultar um oftalmologista regularmente para certificar-se que eles estão funcionando corretamente, além detectar os primeiros sinais de que algo está errado.

O Portal da Visão Curitiba é um espaço de compartilhamento de notícias e informações sobre a oftalmologia, oftalmopediatria e assuntos de interesse para a área.

Hospital de Olhos do Paraná
Rua Coronel Dulcídio, 199 - 1º andar
Batel, Curitiba, Paraná
CEP 80.420-170

INSCREVA-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER.

Powered by TNBstudio

Entre en contato